Quinta-feira, 11 de Setembro de 2008

360 graus

 

Paro. Por instantes senti-te aqui. Muito ao de leve, um aroma doce, um trago de ti. Rodo sobre mim de olhos abertos procurando a tua sombra em qualquer espaço visível mas não te encontro.
 
Encontro as folhas verdes das arvores que rodopiam ao sabor do vento e me levam até ti naquele momento em que dançavas deliciada ao sabor de uma musica que amas;
 
Encontro uma montra de objectos cujo objectivo a que se destinam me levam até ti pela admiração que tenho pelo teu trabalho, pela tua forma de agarrar a vida;
 
Encontro um calendário de onde saltam números que me transportam para momentos em que morri a amar-te em todos os instantes que passei ao teu lado para que depois docemente ressuscitasse no teu abraço;
 
Encontro um vento que me acaricia o rosto e logo me entrega o teu ar quente sobre a minha pele que me faz arrepiar a alma;
 
Encontro um cabelo poisado sobre a minha camisa que me recorda o momento em que nos abraçamos num lago de saudade até que o mesmo secasse sob nós;
 
Encontro a tua voz que me aprisiona em voluntariado. E Amor, tu sabes o quando adoro a tua voz, o timbre que cativa, a energia que emociona, a alegria que contagia. E a noção do tempo que se perde.
 
E as minhas pernas cedem. O meu sangue parece que parou só para te ver passar, instala-se uma estranha fraqueza que pede apoio e o coração dá um jeito de si. Suspira e solta o teu nome sobre mim que me cobre e me preenche, desde a pele até à alma.
 
Ainda parado me apercebo que nunca saíste daqui. Apenas te senti mais intensamente por um momento. A brisa do mar colhe mais alguns metros que passam por mim e novamente te sinto colada a mim. Entendo. Interiorizo. De olhos fechados agora rodo sobre mim à tua procura. E encontro-te no perfume que resta em mim e que sobrou do beijo doce da manhã. Suspiro. Expiro. Solto este ar que me devora de saudade e ao mesmo tempo me alimenta de ti.
 
E sorrio. Sorrio tantas vezes. Tantas vezes quantas as vezes em que uso as letras que constroem as palavras que te dizem o quanto eu gosto de ti. E por muito que as use, elas estão sempre novas.
 
À minha volta existe um mundo. Nesse mundo existes tu. E existes a partir de uma certeza, a certeza de que, em qualquer lugar que eu esteja, olhe para onde olhe, te veja sempre, a ti, o meu Amor.
publicado por jangadadecanela às 15:33
link do post | favorito
De Bichana a 12 de Setembro de 2008 às 16:38
A mais sincera, profunda, irresistivel declaração de amor, puro amor que li nos últimos tempos.
Maravilhoso.
Bjnhos, bom fim-de-semana
De jangadadecanela a 13 de Setembro de 2008 às 13:52
olá... nem sei que diga...

um abraço e bom fim de semana
Luís
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.quem sou...

.Poesia


.pesquisar

 

.posts recentes

. Natal

. Viagem

. Amanhecer

. Esperança

. Sabor a Saudade

. É assim... e que sempre a...

. Infinito

. ...

. Ser

. 21 DE JULHO

. ...

. Tão Veloz Como o Desejo

. Alto Douro Vinhateiro

. O meu leito

. Astrolábio

. Aberto ou Fechado

. ...

. Risco

. SER...

. Partes

.favorito

. DE MÃO NA MÃO

. O CORAÇÃO ...

. DIVAGANDO ...

. AMOTE

. PORQUE...

. NÓS

. "HÁ GENTE QUE FICA NA HIS...

. OBRIGADA POR SERES EGOÍST...

. OU É UMA COISA OU OUTRA

. VAMOS TIRAR UMA FOTO?

.arquivos

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.tags

. todas as tags

RSS